Blog dos Poetas

A Rota do Indivíduo

de

Mera luz
Que invade a tarde cinzenta
E algumas folhas deitam sobre a estrada
O frio é o agasalho que esquenta
O coração gelado quando venta
Movendo a água abandonada

Restos de sonho
Sobre o novo dia
Amores nos vagões
Vagões nos trilhos
Parece é a ferrovia
Que mesmo não te vendo te vigia
Como mãe que dorme olhando os filhos
Com os olhos na estrada

E no mistério solitário na penugem
Vê-se a vida correndo, parada
Como se não existisse chegada
Na tarde distante ferrugem
Ou nada

postado por em 24-09-2008
Compartilhar

3 Comentários para “A Rota do Indivíduo”


  1. socorro disse:

    Lembra a vida, os momentos, as pedras do rio… A trilha..
    Lindo poema…

    Parabéns,

    Abraços.


  2. Iasmin disse:

    lindo!! copiei para o meu blog….gosto mto do Orlando Morais


  3. soraia disse:

    Menina vc acerto em cheio, adoro orlando moraes…. bela escolha a sua, vou te falar, que blog bem feito e de muito bom gosto
    soraia
    ciganita

Deixe Seu Comentário