Blog dos Poetas

O Silêncio e os Barcos

de

As águas pela noite estão caladas
e mais barcos vão chegando à mesma foz.

As águas pela noite estão serenas
e os barcos que regressam adormecem.

Ficámos com as mãos mais apertadas
dois apenas sufocando um grande medo.

Ficámos com os olhos mais parados
que as quilhas destes barcos de segredo.

A noite aglutinou lençóis de espuma
e as areias cobriram-se de redes.

Os barcos nesta noite não arquejam,
são mudos na verdade do silêncio.

Fonte: Poesia dos Dias Úteis

postado por em 29-11-2008
Compartilhar