Blog dos Poetas

Notícia da Manhã

de

Eu sei que todos viram
e jamais esquecerão.
Mas é possível que alguém,
denso de noite, estivesse
profundamente dormido.
E aos dormidos – e também
aos que estavam muito longe
e não puderam chegar,
aos que estavam perto e perto
permaneceram sem vê-la;
aos moribundos nos catres
e aos cegos de coração –
a todos que não a viram
contratei desta manhã
– manhã é céu derramado
é cristal de claridão –
que reinou, de leste a oeste,
de morro a mar – na cidade.

Pois dentro desta manhã
vou caminhando. E me vou tão feliz como a criança
que me leva pela mão.
Não tenho nem faço rumo:
vou no rumo da manhã,
levado pelo menino
( ele conhece caminhos
e mundos, melhor do que eu) .

Amorosa e transparente,
esta é a sagrada manhã
que o céu inteiro derrama
sobre os campos, sobre as casas,
sobre os homens, sobre o mar.
Sua doce claridade
já se espalhou mansamente
por sobre todas as dores.
Já lavou a cidade. Agora,
vai lavando corações
( não o do menino; o meu,
que é cheio de escuridões ) .

Por verdadeira, a manhã
vai chamando outras manhãs
sempre radiosas que existem
( e às vezes tarde despontam
ou não despontam jamais)
dentro dos homens e das coisas:
na roupa estendida à corda,
nos navios chegando,
nas torres das igrejas,
nos pregões dos peixeiros,
na serra circular dos operários,
nos olhos da moça que passa, tão bonita!
A manhã está no chão, está nas palmeiras,
está no quintal dos subúrbios,
está nas avenidas centrais,
está nos terraços dos arranha-céus.
( Há muita, muita manhã
no menino; e um pouco em mim. )

A beleza mensageira
desta radiosa manhã
não se resguardou no céu
nem ficou apenas no espaço,
feita de sol e de vento,
sobrepairando a cidade.
Não: a manhã se deu ao povo.

A manhã é geral.

As árvores da rua,
a réstia do mar,
as janelas abertas,
o pão esquecido no degrau,
as mulheres voltando da feira,
os vestidos coloridos,
o casal de velhos rindo na calçada,
o homem que passa com cara de sono,
a provisão de hortaliças,
o negro na bicicleta,
o barulho do bonde.
Os passarinhos namorando
– ah! pois todas essas coisas
que minha ternura encontra
num pedacinho de rua,
dão eterno testemunho
da amada manhã que avança
e de passagem derrama
aqui uma alegria,
ali entrega uma frase
( como o dia está bonito! )
à mulher que abre a janela,
além deixa uma esperança,
mais além uma coragem,
e além, aqui e ali
pelo campo e pela serra,
aos mendigos e aos sovinas,
aos marinheiros, aos tímidos,
aos desgarrados, aos prósperos,
aos solitários, aos mansos,
às velhas virgens, às puras
e às doidivanas também,
a manhã vai derramando
uma alegria de viver,
vai derramando um perdão,
vai derramando uma vontade de cantar.

E de repente a manhã
– manhã é céu derramado,
é claridão, claridão –
foi transformando a cidade
numa praça imensa praça,
e dentro da praça o povo
o povo inteiro cantando,
dentro do povo o menino
me levando pela mão.

Fonte: Portal São Francisco – Obras Literárias

postado por em 11-10-2008
Compartilhar

5 Comentários para “Notícia da Manhã”


  1. Michelle disse:

    Olá.. adorei o blog, estarei deixando um link no meu para as pessoas poderem ter mais acesso as palavras lindas que aqui encontrei…. abraço, Michelle.


  2. Jessica Reis disse:

    ME FALTA PALAVRAS PARA DZR OQ ESTE POEMA SIGNIFICOU PRA MIM!
    PORTANTO NA AUSÊNCIA DELA VOU SER COMUM! LINDOOOO!

    BOA SORTE !!!
    INSPIRAÇÃO SEMPRE PARA QUE POSSA CONTINUAR TRAZENDO AO MUNDO ESSAS PALAVRAS “LINDAS”

    !http://jessykings.blogspot.com/


  3. eder ribeiro disse:

    sempre haverá uma manhã de luz qdo carregamos em nós um pouco de criança. bjos.


  4. Daura Brasil disse:

    Há muita e nobre poesia, no radioso clarão da manhã, noticiando a vida, colhida do coração do poeta transmudado em menino.


  5. Priscila disse:

    Excelente poema!

Deixe Seu Comentário