Blog dos Poetas

A um Carneiro Morto

de

Misericordiosíssimo carneiro
Esquartejado, a maldição de Pio
Décimo caia em teu algoz sombrio
E em todo aquele que for seu herdeiro!

Maldito seja o mercador vadio
Que te vender as carnes por dinheiro,
Pois, tua lã aquece o mundo inteiro
E guarda as carnes dos que estão com frio!

Quando a faca rangeu no teu pescoço,
Ao monstro que espremeu teu sangue grosso
Teus olhos – fontes de perdão – perdoaram!

Oh! tu que no Perdão eu simbolizo,
Se fosses Deus, no Dia do Juízo,
Talvez perdoasses os que te mataram!

postado por em 17-04-2011
Compartilhar

3 Comentários para “A um Carneiro Morto”


  1. Miguel Afonso disse:

    Satírico, esse soneto, mas muito bem conseguido.


  2. Mauri Zeürgo disse:

    Muito bem. Acredito na realidade das palavras tuas e na força com que coloca cada linha de cada texto teu. Gostei da perseverança e bonança utilizada por ti. Boa sorte e parabéns.

    Mauri Zeurgo dos BLOG: “Às Grandes Formigas”


  3. EDILOY A C FERRARO disse:

    A verve de Augusto dos Anjos, tem muito de irônica, sagaz, de incomodar, cutucando tabus, visceral, talvez atributos que se perduram e o colocam atualíssimo hoje e sempre.

Deixe Seu Comentário