Blog dos Poetas

A Cruz

de

Era o instrumento vil de suplício infamante,
Condenava-se à cruz o assassino, o ladrão.
Mas ia ter Jesus o atro martírio, diante
Do crime de pregar do Templo a destruição.

Ele próprio a transporta ao Calvário distante
E à medida que vai, pelos calhaus do chão
Arrastando-a, a sangrar, – o madeiro aviltante
Faz-se leve, transluz, num eterno clarão.

E quando nele, enfim, abre os braços Jesus,
O corpo do Homem-Deus toma a forma da cruz
Desde a cabeça aos pés, e duma à outra mão.

Desse instante e, a seguir, pelo tempo infinito
O instrumento de morte, oprobrioso e maldito,
Com Jesus se confunde; e é Vida e é Redenção.

postado por em 15-01-2007
Compartilhar

Deixe Seu Comentário