Blog dos Poetas

Versos a um Coveiro

de

Numerar sepulturas e carneiros,
Reduzir carnes podres a algarismos,
Tal é, sem complicados silogismos,
A aritmética hedionda dos coveiros!

Um, dois, três, quatro, cinco… Esoterismos
Da Morte! E eu vejo, em fúlgidos letreiros,
Na progressão dos números inteiros
A gênese de todos os abismos!

Oh! Pitágoras da última aritmética,
Continua a contar na paz ascética
Dos tábidos carneiros sepulcrais

Tíbias, cérebros, crânios, rádios e úmeros,
Porque, infinita como os próprios números
A tua conta não acaba mais!

Augusto dos Anjos – Eu e Outras poesias
– L&PM Pocket
Conta Francisco de Assis Barbosa que, em novembro de 1914, Orris Soares e Heitor Lima encontraram-se com Olavo Bilac e o informaram do prematuro falecimento de Augusto. “E quem é esse Augusto?”, perguntou Bilac. Um grande poeta, responderam-lhe, e Heitor Lima recitou o soneto Versos a um Coveiro. Bilac sorriu superiormente e comentou:”Fez bem em morrer, não se perde grande coisa”.
postado por em 03-12-2004
Compartilhar

9 Comentários para “Versos a um Coveiro”


  1. carla disse:

    só quero registrar aqui minha imensuravel indignaçao diante do comentário de Olavo Bilac. ele é um babaca!


  2. Mirian Raquel disse:

    Lamento o comentário da colega em dizer que Olavo Bilac é um babaca, pois é um grande poeta. Com certeza ele foi infeliz na sua fala, pois os versos de Augusto dos Anjos continuam vivos.
    E versos a um coveiro é interessante por envolver palavras e expressões matemáticas.


  3. Zefa disse:

    como é que uma peessoa pode se inspirar em um corvo??!!
    Ele ta é maluco isso siim!!
    ¬¬
    eu odiei


  4. Kevin disse:

    Verso a um coveiro é uma comparacao entre duas formas destintas de personalidade.
    entre carneiro e corpos
    pastor e coveiro
    os dois tranforma tudo um apenas numeros.
    comparacao entra ‘bem’ e o ‘mal”


  5. Adellunar Marge disse:

    Embora o comentário de Bilac tenha sido áspero demais, não se pode negar que tanto Bilac como Augusto dos Anjos são dois dos maiores poetas brasileiros. Há poemas excepcionais na poética de ambos.


  6. Afrânio disse:

    O poema “Versos a coveiro” é uma homenagem ao coveiro e a sua prática mecânica de trabalho, por isso o uso de termos matemático que dão cadência a contagem das seputuras. Sobre o termo “carneiro” citado no poema e comentado abaixo, não tem relação com pastores, pois a palavra carneiro, segundo o discionário Aurélio, siguinifica “Gaveta ou urna, nos cemitérios, onde se enterram cadáveres.”. Abraços!


  7. Sergio Faria disse:

    Por falar em grandes poetas, eu diria que Bilac é um grande artista da forma mas falta aos seus poemas, os que conheço, densidade de reflexão dos grandes temas que a tormentam a humanidade desde sempre : a vida , a morte, a posição do homem no universo. Neste território Augusto dos Anjos da de 10 X 2 no Bilac, até seu triste comentário demonstra esta afirmação.
    Abraços


  8. EDILOY A C FERRARO disse:

    …Irõnico, Sarcástico e genial. Incomoda ainda, passada a sua morte, pela mordacidade de seus versos, sempre atual, como se estivesse entre nós, possivelmente rindo das expressões de seus admiradores.


  9. PauloSalmaci disse:

    Um videoclipe de Versos a um Coveiro em homenagem ao grande poeta

    http://www.youtube.com/watch?v=Wx2m4yQLI3A&feature=fvsr

Deixe Seu Comentário