Blog dos Poetas

Gozo e Dor

de

Se estou contente, querida,
Com esta imensa ternura
De que me enche o teu amor?
Não. Ai não; falta-me a vida;
Sucumbe-me a alma à ventura:
O excesso de gozo é dor.

Dói-me alma, sim; e a tristeza
Vaga, inerte e sem motivo,
No coração me poisou.
Absorto em tua beleza,
Não sei se morro ou se vivo,
Porque a vida me parou.

É que não há ser bastante
Para este gozar sem fim
Que me inunda o coração.
Tremo dele, e delirante
Sinto que se exaure em mim
Ou a vida ou a razão.

postado por em 28-02-2010
Compartilhar

3 Comentários para “Gozo e Dor”


  1. Mi disse:

    Cantando o amor, um amor enorme, que ao mesmo tempo traz sofrimento e dor, na alegria de amar e temor de quebrar o encanto desse amor…
    “Não sei se morro se vivo”…


  2. Gabriel lugoch disse:

    Poesia muitas vezes
    Falam só de coisas boas Amor, esperança Muitas dizem “Quem espera sempre alcança.”Mas Por que o ódio é assim?
    Por que ele muitas vezes não tem fim?
    Isso eu não posso explicar
    Mas posso dizer
    Que só mal ele trará


  3. EDILOY A C FERRARO disse:

    O poeta demonstra a consternação do homem diante a tanta dádiva, a de amar e ser amado, parecendo desconfiar de tanta felicidade, e, como todo inquietante pensador, tira suas conclusões, apesar de opostas, ante o gozo e a dor…fina ironia despendida nestes versos que antes de encantar-nos sugere-nos dúvidas…

Deixe Seu Comentário