Blog dos Poetas

Desencanto

de

Eu faço versos como quem chora
De desalento… de desencanto…
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente…
Tristeza esparsa… remorso vão…
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.

E nestes versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

– Eu faço versos como quem morre.

postado por em 17-03-2008
Compartilhar

3 Comentários para “Desencanto”


  1. vinícius garcez couto disse:

    Adoro esse poema, pensei em compor uma música que tentasse exprimir o verso de bandeira. Pensei em uma ilustração musical desse verso, fazendo das notas as gotas. Uma melodia rouca mas que escorra,isto é, perpasse livrimente em graves e agoudo, uma melodia que ande do grave ao agudo por muitas notas mas de forma sensível. Bons menores para expressar o dói-me nas veias, a sensibilidade verdadeira, quero minha vida na música, minha morena pequena


  2. Kirinha disse:

    A sutileza com que fala de dor,
    é a ausencia de sinfonia de sapos,
    não esconde ardido da mágoa,
    não deixa de se mostrar, é fato,
    e não fala de amor bandido,
    deixa a poesia como aparato,
    de vida, e não de malbarato!


  3. Jonatas de Oliveira disse:

    Creio que a sabedoria de Bandeira esta em saber falar da dor sem ser melodramático.

Deixe Seu Comentário