Blog dos Poetas

Ao Espelho

de

Tu, que não foste belo nem perfeito,
Ora te vejo (e tu me vês) com tédio
E vã melancolia, contrafeito,
Como a um condenado sem remédio.

Evitas meu olhar inquiridor
Fugindo, aos meus dois olhos vermelhos,
Porque já te falece algum valor
Para enfrentar o tédio dos espelhos.

Ontem bebeste em demasia, certo,
Mas não foi, convenhamos, a primeira
Nem a milésima vez que hás bebido.

Volta portanto a cara, vê de perto
A cara, tua cara verdadeira,
Oh Braga envelhecido, envilecido.

postado por em 31-07-2006
Compartilhar

3 Comentários para “Ao Espelho”


  1. PETER disse:

    NOSSA Q LEGALPARABENS VC EH DEMAIS


  2. EDILOY A C FERRARO disse:

    …preciosidade esta descoberta, fã de Rubem Braga ficcionista em prosa, não o conhecia em tecedor de versos, nada a dever ao talento das narrativas longas, estes versos reverberam vida, desalento, tédio, mas belos ao refletir a realidade, APLAUSOS !!!


  3. Marina disse:

    muito bom! não conhecia Rubem Braga poeta. Parabéns pelo blog.

Deixe Seu Comentário