Blog dos Poetas

Voz e Aroma

de

A brisa vaga no prado,
Perfume nem voz não tem;
Quem canta é o ramo agitado,
O aroma é da flor que vem.

A mim, tornem-me essas flores
Que uma a uma vi murchar,
Restituam-me os verdores
Aos ramos que eu vi secar…

E em torrentes de harmonia
Minha alma se exalará,
Esta alma que muda e fria
Nem sabe se existe já.

postado por em 08-01-2004
Compartilhar

2 Comentários para “Voz e Aroma”


  1. Ediloy Antonio Carlos Ferraro disse:

    Almeida Garret, como todos nós, na madureza da vida, deponhe suas armas, em metáforas tristes/belas/reflexivas, nos situa na condição humana de eterna perplexidade diante à vida… os verdores que se vão, a idéia de tempo consumido…

    O que demonstra que sentimentos, perquirições d’alma transcende tempos, é sempre atual, pois parte essencial da natureza humana…

    lindas reflexões desse poeta imemorável.


  2. tania disse:

    alguem me pode ajudar na analise deste poema?
    obrigado

Deixe Seu Comentário