Blog dos Poetas

Triste Destino!

de

Quando às vezes o mar soluça tristemente
A praia abre-lhe os braços e dexia-o a gemer;
Embala-o com amor, de leve, docemente,
E canta-lhe cantigas p´ra adormecer!

Quando o Outono leva a folha rendilhada,
O vestido real da branda Primavera,
O rio abre-lhe os braços e leva amortalhada
A pequenina folha, essa ideal quimera!

O sol, agonizante e quase moribundo,
Estende os braços nus, alegre, para o mundo
Que o faz amortalhar em púrpura de lenda!

O sol, a folha, o mar tudo é feliz! Mas eu
Busco a mortalha minha até no alto céu!
E nem a cruz p´ra mim tem braços que m´estenda!

postado por em 06-04-2006
Compartilhar