Blog dos Poetas

Tempos Idos

de

Não enterres, coveiro, o meu Passado,
Tem pena dessas cinzas que ficaram;
Eu vivo dessas crenças que passaram,
E quero sempre tê-las ao meu lado!

Não, não quero o meu sonho sepultado
No cemitério da Desilusão,
Que não se enterra assim sem compaixão
Os escombros benditos de um Passado!

Ai! não me arranques d’alma este conforto!
– Quero abraçar o meu passado morto
– Dizer adeus aos sonhos meus perdidos!

Deixa ao menos que eu suba à Eternidade
Velado pelo círio da Saudade,
Ao dobre funeral dos tempos idos!

postado por em 22-05-2011
Compartilhar

4 Comentários para “Tempos Idos”


  1. EDILOY A C FERRARO disse:

    Este poeta tem o dom de instigar, levando-nos a refletir, morto fisicamente mas genuinamente vivo em sua obra, perturbadora e intensa, sobrevivendo aos tempos…um homem sem passado é um desmemoriado, sem eixo e história que o compõe em seu sentido.


  2. menino sonhador disse:

    eu particularmente amo augusto dos anjo ele foi e sempre será o cara…


  3. Antonio de Azevedo Silva disse:

    Tempos Idos, para mim o mais lindo dos poemas de Augusto dos Anjos.


  4. Rubem Dutra disse:

    A alma do poeta e como uma poltrona que ninguém se asenta, olha e respeita porque ali deleita as expirações, aguando para se vestir.

Deixe Seu Comentário