Blog dos Poetas

Sonho de um Monista

de

Eu e o esqueleto esquálido de Esquilo
Viajávamos, com uma ânsia sibarita,
Por toda a pró-dinâmica infinita,
Na inconsciência de um zoófito tranqüilo.

A verdade espantosa do “Protilo”
Me aterrava, mas dentro da alma aflita
Via Deus – essa mônada esquisita –
Coordenando e animando tudo aquilo!

E eu bendizia, com o esqueleto ao lado,
Na guturalidade do meu brado,
Alheio ao velho cálculo dos dias,

Como um pagão no altar de Proserpina,
A energia intracósmica divina
Que é o pai e é a mãe das outras energias!

postado por em 08-05-2011
Compartilhar

2 Comentários para “Sonho de um Monista”


  1. EDILOY A C FERRARO disse:

    O que fustiga neste autor é a sua atualidade, embora já tenha falecido em 1914. Considerado pelo poeta Ferreira Gullar como da escola literária Expressionista, parece-me a mais acertada, embora por outros considerado como Parnasiano ou Simbolista.
    O fato é que seus textos não feneceram no tempo, não retratam exatamente épocas, fala a alma humana, por isso é perpétuo, por vezes, justamente pelas críticas mordazes, incômodo.


  2. Débora Sader disse:

    Parabéns pelo blog e pelos textos! Se quiser conhecer, também tenho um blog de poesia, Espaço Poético, http://www.deborasader.blogspot.com

Deixe Seu Comentário