Blog dos Poetas

Senhor Doutor

de

Senhor Doutor, muito bem-vinda seja
A esta mofina e mísera cidade,
Sua justiça agora, e eqüidade,
E letras com que a todos causa inveja.

Seja muito bem-vindo, porque veja
O maior disparate e iniqüidade,
Que se tem feito em uma e outra idade
Desde que há tribunais, e quem os reja.

Que me há de suceder nestas montanhas
Com um ministro em leis tão pouco visto,
Como previsto em trampas e maranhas?

É ministro de império, mero e misto,
Tão Pilatos no corpo e nas entranhas,
Que solta a um Barrabás, e prende a um Cristo.

postado por em 21-08-2011
Compartilhar

3 Comentários para “Senhor Doutor”


  1. SÉRGIO GIBIM ORTEGA disse:

    Opa, fiz uma poesia de crítica, e me deparei com a sua, se me permites, é que acontece no dia de hoje prendendo os bons e soltando os ruins-
    abraço Poeta Gibim


  2. EDILOY A C FERRARO disse:

    Gregório de Matos, do período barroco, considerado o maior poeta satírico em língua portuguesa, nos traz em versos capciosos a ironia ferina que o caracterizou, afinal a lei de Pilatos, puniu o Puro e absolveu o malfeitor……


  3. Poliana Sousa disse:

    Este soneto trata de uma crítica feita pelo Gregório aos políticos, que não se fazem cumprir as leis, e pq não sabem exercer corretamente o seu poder.
    No entanto, faz uma comparação aos políticos com Pilatos, que tem o poder de tomar decisões poderosas e não tomam. Os políticos fazem como Pilatos, deixa na mão do povo, para se beneficiar no seu “império”.

Deixe Seu Comentário