Blog dos Poetas

Saudade

de

Belos amores perdidos,
Muito fiz eu com perder-vos;
Deixar-vos, sim: esquecer-vos
Fora demais, não o fiz.

Tudo se arranca do seio,
– Amor, desejo, esperança…
Só não se arranca a lembrança
De quando se foi feliz.

Roseira cheia de rosas,
Roseira cheia de espinhos,
Que eu deixei pelos caminhos,
Aberta em flor, e parti:

Por me não perder, perdi-te:
Mas mal posso assegurar-me,
– Com te perder e ganhar-me,
Se ganhei, ou se perdi…

postado por em 16-08-2007
Compartilhar

2 Comentários para “Saudade”


  1. Ivone Moraes Sarubbi disse:

    Falta-me por não ser poeta o manuseio das palavras. Ficam então aquelas surradas palavras: Que lindo!!!


  2. thamires disse:

    gostaria da traduçao dessa obra e se nao for incomodo indue as caracteristicas do parnasianismo. obrigada!

Deixe Seu Comentário