Blog dos Poetas

Saudade

de

Que me dizias, Augusto Meyer,
naquele tempo que não passa,
na mesa, junto à vidraça,
naquele bar que era um barco?

Por ela passavam mares,
passavam portos e portos,
ali que os ventos ventavam,
dos quatro cantos do mundo!

O que dizíamos? Sei lá!
Não falemos em nossas vidas…
Nem, por nós, se salvou o mundo…

Mas, Amigo, eu sei que tenho
– naquelas horas perdidas –
o meu ganho mais profundo!

postado por em 16-02-2014
Compartilhar

Deixe Seu Comentário