Blog dos Poetas

Prazer e Pesar

de

Um prazer, e um pesar quase irmanados,
Um pesar, e um prazer, mas divididos
Entraram nesse peito tão unidos,
Que Amor os acredita vinculados.

No prazer acha Amor os esperados
Frutos de seus extremos conseguidos,
No pesar acha a dor amortecidos
Os vínculos do sangue separados.

Mas ai fado cruel! que são azares
Toda a sorte, que dás dos teus haveres,
Pois val o mesmo dares, que não dares.

Emenda-te, fortuna, e quando deres,
Não seja esse prazer em dois pesares,
Nem prazer enterrado nos Prazeres.

postado por em 11-12-2011
Compartilhar

2 Comentários para “Prazer e Pesar”


  1. Isabelle disse:

    Adoro ele!


  2. EDILOY A C FERRARO disse:

    Como dois “eus” antagônicos, se digladiando intimamente, em conflitos, Prazer e Pesar, neste sonete inspirado e bem manuseado, o poeta nos presenteia com a verve pulsante de sempre…

Deixe Seu Comentário