Blog dos Poetas

Os Dois Horizontes

de

Dois horizonte fecham nossa vida:

Um horizonte, – a saudade
Do que não há de voltar;
Outro horizonte, – a esperança
Dos tempos que hão de chegar;
No presente, – sempre escuro, –
Vive a alma ambiciosa
Na ilusão voluptuosa
Do passado e do futuro.

Os doces brincos da infância
Sob as asas maternais,
O vôo das andorinhas,
A onda viva e os rosais.
O gozo do amor, sonhado
Num olhar profundo e ardente,
Tal é na hora presente
O horizonte do passado.

Ou ambição de grandeza
Que no espírito calou,
Desejo de amor sincero
Que o coração não gozou;
Ou um viver calmo e puro
À alma convalescente,
Tal é na hora presente
O horizonte do futuro.

No breve correr dos dias
Sob o azul do céu, – tais são
Limites no mar da vida:
Saudade ou aspiração;
Ao nosso espírito ardente,
Na avidez do bem sonhado,
Nunca o presente é passado,
Nunca o futuro é presente.

Que cismas, homem? – Perdido
No mar das recordações,
Escuto um eco sentido
Das passadas ilusões.
Que buscas, homem? – Procuro,
Através da imensidade,
Ler a doce realidade
Das ilusões do futuro.

Dois horizontes fecham nossa vida.

postado por em 22-08-2007
Compartilhar

8 Comentários para “Os Dois Horizontes”


  1. Josue disse:

    simplesmente lindo.


  2. sandra disse:

    sem palavras. meu silencio, o ecoar dessas palavras em minha mente me bastam.


  3. nelsa da penha disse:

    ”Acchei lindo…”


  4. nelsa da penha disse:

    mais que lindo belissimo…


  5. Iasmin disse:

    copiei essa poesia para o meu blog..
    linda!!


  6. helena maria sandoval de miranda disse:

    Feliz de quem pode , no turbilhão da vida principalmente no atual momento ler e entender que ” nunca o presente é passado, nunca o futuro é presente. É simplesmente fantástico!


  7. izabel cristina disse:

    entender a nobreza dessas palavras enaltece a alma, eleva os sonhos. Lindo poema


  8. Juliana disse:

    Deslumbrei-me ao ler este poema.
    Beautiful!

Deixe Seu Comentário