Blog dos Poetas

Nuvens Correndo Num Rio

de

Nuvens correndo num rio
Quem sabe onde vão parar?
Fantasma do meu navio
Não corras, vai devagar!

Vais por caminhos de bruma
Que são caminhos de olvido.
Não queiras, ó meu navio,
Ser um navio perdido.

Sonhos içados ao vento
Querem estrelas varejar!
Velas do meu pensamento
Aonde me quereis levar?

Não corras, ó meu navio
Navega mais devagar,
Que nuvens correndo em rio,
Quem sabe onde vão parar?

Que este destino em que venho
É uma troça tão triste;
Um navio que não tenho
Num rio que não existe.

postado por em 16-12-2009
Compartilhar

10 Comentários para “Nuvens Correndo Num Rio”


  1. Felipa disse:

    Muito obrigada por incluirem Natália Correia neste conjunto de enormes vultos da Poesia em Língua Portuguesa. Eu que moro em Portugal não encontro um único livro dela para comprar e ler, apesar de já ter procurado em várias livrarias.
    Em Portugal só se reeditam os livros dos grandes autores (Camões, Pessoa, etc.) mas esquecem de alguns nomes que foram e são ainda queridos e desejados pelas pessoas… Ou então incluem um ou dois dos seus poemas em antologias, mas para quem aprecia o autor isso é muito pouco.
    Muito, muito obrigada.


  2. EDILOY A C FERRARO disse:

    …desconhecia as obras dessa poetisa, mas me encantei com teu navio singrando à deriva nos mares de suas inquietações existenciais, ornado em belas palavras e em sutis devaneios a autora nos leva a encruzilhadas reflexivas…parabéns pela escolha !


  3. jessé barbosa de oliveira disse:

    introspeccão poética eloquente e altiva. lindo poema!


  4. zierley rojard disse:

    não conhecia. muito bom!


  5. Rafaella disse:

    Belas palavras!


  6. IALMAR PIO SCHNEIDER disse:

    SONETO (em 5.12.08 – Porto Alegre – RS)

    Não é loucura amar, viver intensamente
    Uma grande paixão que nunca se desfaça,
    Efêmera e fugaz, em rolos de fumaça,
    Porém que sempre exista enquanto seja ardente…

    Não é loucura odiar, sentir eternamente
    A atroz desilusão que dentro em si se passa,
    Arrebatando a paz, trazendo-lhe a desgraça,
    Que a vida só contrista agora já descrente…

    É loucura chorar, quando a mágoa tristonha
    Surge pra perturbar o coração que sonha,
    Ao sentir que um amor sincero toma vulto…

    Mas é também genial isolar-se num sítio,
    Da fábula intuir o sutil epimítio
    E viver solitário ausente do tumulto…

    IALMAR PIO SCHNEIDER


  7. IALMAR PIO SCHNEIDER disse:

    Um soneto de minha autoria para colaboração…

    SONETO (em 5.12.08 – Porto Alegre – RS)

    Não é loucura amar, viver intensamente
    Uma grande paixão que nunca se desfaça,
    Efêmera e fugaz, em rolos de fumaça,
    Porém que sempre exista enquanto seja ardente…

    Não é loucura odiar, sentir eternamente
    A atroz desilusão que dentro em si se passa,
    Arrebatando a paz, trazendo-lhe a desgraça,
    Que a vida só contrista agora já descrente…

    É loucura chorar, quando a mágoa tristonha
    Surge pra perturbar o coração que sonha,
    Ao sentir que um amor sincero toma vulto…

    Mas é também genial isolar-se num sítio,
    Da fábula intuir o sutil epimítio
    E viver solitário ausente do tumulto…

    IALMAR PIO SCHNEIDER


  8. FABRICIO ALVES disse:

    GRANDE NATÁLIA! ADORO-A! MAGNIFICA! PARABENS AO IALMAR TAMBEM, PELO BELO SONETO.


  9. Passos Dias Aguiar Mota disse:

    Um poema eloquentemente avançado na retrospectiva magnífica da poesia portuguesa contemporânea, é um fascínio para a mente destrinçar o seu mais profundo significado para se perceber o sentido da vida e do pensamento da sociedade.


  10. Hugo Saporiti disse:

    preciso de muita ajuda. tenho um trabalho de portugues (10ano) sobre a poesia de natalia correia. tenho que arranjar um poema e fazer a sua analise. eu consigo fazer tudo.. excepto o assunto. porque nao consigo perceber/explicar o que a escritora diz no poema.
    se alguem quiser ajudar, agradeco muito. pode nao ser deste poema.

    p.s: so digo isto porque tb nao encontro nada na net!

Deixe Seu Comentário