Blog dos Poetas

Não Passou

de

Passou?
Minúsculas eternidades
deglutidas por mínimos relógios
Ressoam na mente cavernosa.

Não, ninguém morreu, ninguém foi infeliz.
A mão- a tua mão, nossas mãos-
rugosas, têm o antigo calor
de quando éramos vivos. Éramos?

Hoje somos mais vivos do que nunca.
Mentira, estarmos sós.
Nada, que eu sinta, passa realmente.
É tudo ilusão de ter passado.

postado por em 02-05-2005
Compartilhar

Deixe Seu Comentário