Blog dos Poetas

Inconsolavelmente

de

E desfolhou-se a flor. Tombam as folhas,
Rolam no chão, dispersas, como bolhas
De água, sem que as apanhes ou recolhas,
Sem teres tempo de as colher na mão.

Frias, brancas, translúcidas, partidas,
Aquelas trinta pétalas queridas,
Soltas na viração das avenidas,
Noivas, virgens defuntas, lá se vão.

E choraste, em silêncio, amargamente.
Mal conheceras essa Irmã dolente,
Mas por ela sofreste em teu amor.

Sem ter consolo a mágoa que sentiste,
Ficaste, poeta, para sempre, triste,
Apiedado da sorte de uma flor.

postado por em 29-05-2008
Compartilhar