Blog dos Poetas

Eu luminoso não sou

de

Eu luminoso não sou. Nem sei que haja
Um poço mais remoto, e habitado
De cegas criaturas, de histórias e assombros.
Se, no fundo poço, que é o mundo
Secreto e intratável das águas interiores,
Uma roda de céu ondulando se alarga,
Digamos que é o mar: como o rápido canto
Ou apenas o eco, desenha no vazio irrespirável
O movimento de asas. O musgo é um silêncio,
E as cobras-d’água dobram rugas no céu,
Enquanto, devagar, as aves se recolhem.

postado por em 23-05-2006
Compartilhar

2 Comentários para “Eu luminoso não sou”


  1. Lígia disse:

    Olá!
    Estou aqui para convidá-los para a estréia do mais novo espetáculo da Cia. Estrela D´Alva de Teatro – “Alberto Caeiro – Ele mesmo”.

    As poesia do heterônimo de Fernando Pessoa abordadas na linguagem dos palcos. A direção é de Marcelo Gianini, e no elenco, eu, Lígia Helena, e Ivan Ribeiro.

    Alberto Caeiro – Ele mesmo
    Teatro Municipal de Santo André
    01 de junho de 2006 – quinta-feira
    16h00 e 20h00
    Pça. IV Centenário, s/nº – Centro
    Ingressos: R$16,00 / R$8,00 (meia)
    informações:
    http://www.ciaestreladalva.blogspot.com


  2. EDILOY A C FERRARO disse:

    Como nos leva às reflexões em imagens emblemáticas, introspectivas,densas, de uma beleza dolorida…

Deixe Seu Comentário