Blog dos Poetas

É estranho

de

É estranho que, após o pranto
vertido em rios sobre os mares,
venha pousar-te no ombro
o pássaro das ilhas, ó náufrago.

É estranho que, depois das trevas
semeadas por sobre as valas,
teus sentidos se adelgacem
diante das clareiras, ó cego.

É estranho que, depois de morto,
rompidos os esteios da alma
e descaminhado o corpo,
homem, tenhas reino mais alto.

 

postado por em 20-12-2008
Compartilhar

3 Comentários para “É estranho”


  1. soraia disse:

    Que beleza de versos….Celia..voce tem um bom gosto..
    beijos e um 2009 repleto de inspiraçoes., saude dinheiro.. felicidade..
    beijos da ciganita


  2. Tene Cheba disse:

    Quero, quero te dizer, quero,
    quero te domar, sem requintes,
    vou declamar, o poema amargo,
    as rimas doces, as noites sem lua,
    estrelas cadentes, bombas que caem,
    visão que tortura, minha alma derramada,
    mas hoje, apenas hoje, o mundo é gigante,
    não nota você, não percebe a sua dor, nem sente a sua fome, nem lhe cede o lenço, para colher suas lágrimas.
    Pobre Rosalina, menina pobre, de doce amargura, que vive na faixa, cercada por muros, inviolada.
    Pobre Rosalina, pobre ser, não em gaza,
    esqueça as pedras, deixe o limo sobreviver.
    Pobre Rosalina, menina pobre,
    nunca verei, o seu sorriso,
    creio em crias mortas, em crias vivas,
    creio na opção.
    Pobre Palestina, pobre Rosalina,
    pobre podridão.


  3. claudia quaresma disse:

    Que beleza de versos…em seus versos ,Henriqueta lisboa,tem a sensibilidade de reconhecer que o ser humano só é valorizado depois de morto.

Deixe Seu Comentário