Blog dos Poetas

Doce Amor

de

Doce Amor – a sorrir-se brandamente
Em sonhos me falou com tal brandura,
Que eu só de o escutar vida mais pura
Senti coar-me n’alma fundamente.

Depois tornou-se o tredo fogo ardente
Que o instante, o ano, a vida me tortura.
Bem longe de gozar tanta ventura,
Cresta-me o rosto agora o pranto quente.

Homem, se homem és no sentimento,
Não zombes, não, de mim tão desditosa,
Nem seja o teu alívio o meu tormento.

Deixa-me a teus pés cair chorosa,
Soltar no extremo pranto o extremo alento,
Que eu morrendo a teus pés serei ditosa.

postado por em 14-12-2007
Compartilhar

2 Comentários para “Doce Amor”


  1. Haroldo Lopes de Jesus disse:

    uma verdadeira sensação de amor e paz, em versos tão simples e romanticos


  2. Renata Amorim disse:

    Gonçalves Dias com certeza é o romancista que tem mais pureza em seus versos!!O amor ingênuo.

Deixe Seu Comentário