Blog dos Poetas

Canto Esponjoso

de

Bela
esta manhã sem carência de mito,
e mel sorvido sem blasfémia.

Bela
esta manhã ou outra possível,
esta vida ou outra invenção,
sem, na sombra, fantasmas.

Umidade de areia adere ao pé.
engulo o mar, que me engole.
Valvas, curvos pensamentos, matizes da luz
azul
completa
sobre formas constituídas.

Bela,
a passagem do corpo, sua fusão
no corpo geral do mundo.
Vontade de cantar. Mas tão absoluta
que me calo, repleto.

postado por em 18-03-2010
Compartilhar

3 Comentários para “Canto Esponjoso”


  1. EDILOY A C FERRARO disse:

    “Vontade de cantar. Mas tão absoluta
    que me calo, repleto.”

    O poeta nos transmite suas percepções embevecidas do Homem diante suas sensações frente à vida, de forma lírica, seu êxtase em uma manhã que se descortina…lindíssimo !!!


  2. EDILOY A C FERRARO disse:

    Volto a estes versos, desnudos de maravilhas externas, mas plácido, abnegado, dentro do possível da existência, reflexões amenas e não menos profundas…


  3. Eliane disse:

    Lindo poema do Drummond!!!!!!!

Deixe Seu Comentário