Blog dos Poetas

Canção de Outono

de

Perdoa-me, folha seca,
não posso cuidar de ti.
Vim para amar neste mundo,
e até do amor me perdi.

De que serviu tecer flores
pelas areias do chão,
se havia gente dormindo
sobre o própro coração?

E não pude levantá-la!
Choro pelo que não fiz.
E pela minha fraqueza
é que sou triste e infeliz.
Perdoa-me, folha seca!
Meus olhos sem força estão
velando e rogando áqueles
que não se levantarão…

Tu és a folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
– a melhor parte de mim.
Certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão…

postado por em 16-01-2012
Compartilhar

13 Comentários para “Canção de Outono”


  1. EDILOY A C FERRARO disse:

    ´Há sonoridade neste lamento em versos, a sensação da impotência e do desalento, uma certa melancolia, que a poetisa sensível oferece-nos com a alma machucada…lindo !


  2. Aline Santos disse:

    Cacília Meireles, sempre perfeita! Mesmo sendo este poema triste, não deixa de ser belo!
    Olá caro autor deste cantinho!
    venho te fazer um convite, para participar do meu blog, aonde eu, poetiza iniciante, componho poemas e inspirações.
    Aceita?

    Deixo pra ti um abraço carinhoso!

    Aline Santos, autora do blog ‘Epífises de uma Pérola’.


  3. Edu disse:

    http://web-escritores.blogspot.com/ gente pra quem gosta de uma boa leitora esse blog é daora, tem uns textos bem bacana tudo escrito por autores da WEB.


  4. Carine disse:

    Amei’ (:


  5. Fellipe disse:

    Cecilia é incrivel….


  6. Cristiane disse:

    Lindo demais, a solidão e silêncio despertou o senso de observação desta grande poeta, amei Cicília Meireles é a referência de todos os tempos.


  7. MARCIA LEITE disse:

    SUGIRO AO AMIGO BLOGUEIRO UMA REPASSADA NOS POEMAS DO POETA DESCONHECIDO DE NOME:LUIZ FAGGIONI, QUE AOS 84 ANOS DESCOBRIU QUE FAZER POEMAS É UM BOM NEGÓCIO PARA O ESPIRITO DE CADA UM, QUE LÊ E QUE FAZ POESIAS PARA TODOS.


  8. Cyrus disse:

    Como mais uma bela coincidência, faço do meu poema mais recente publicado (‘epifania’) uma homenagem à Cecília (reproduzo aqui o trecho final):

    “No efêmero tear da vida,
    passos imutáveis desconhecem morte
    nesse farto chão.”


  9. carlos disse:

    muito legal


  10. Bruno Cunha disse:

    Cecilia, que maravilha!
    Podemos ver também obras de nossos queridos blogueiros!

    Parabéns de novo!


  11. Joel Medeiros disse:

    ONDAS

    O ronco aumenta com o vento que empurra uma fina camada.
    Que se chocando ao sólido, vai se desfazer.
    E o vento persiste assoprando uma fina camada.
    Que depois de muito tempo, passa por cima da rocha molhada.


  12. Li Barbosa disse:

    Lindo poema!
    Cecília Meireles é para os poetas uma grande inspiração, eu como poetisa admiro e busco inspirar-me nesses grandes talentos, também sou fã de Fernando Pessoa!
    Convido os amigos desse site a conhecerem minhas poesia e participarem no meu site http://www.autoralibarbosa.blogspot.com aqui vocês encontraram poesia inéditas, trechos de obras publicadas e momentos de reflexão!
    Ficarei aguardando as visitas!
    Um abraço!
    Li Barbosa


  13. V. Fenelon disse:

    Cecília Meireles consegue alcançar as profundezas das almas… Fico sem palavras…

    Deixo um convite para que conheçam e participem do meu blog de poemas autorais:

    http://www.eucolirico.blogspot.com

    Abraços,

    V. Fenelon

Deixe Seu Comentário