Blog dos Poetas

As mãos estendidas

de
                       A Carlos Drummond de Andrade

Nessa direção
da janela aberta
vem o Murundu,
o bicho-papão
metendo medo em
quem anda acordado
inda a essas horas.
Em outro lugar
cisma outra criança.
Triste é não poder ter um outro vôo
que não o poético
da imaginação
para a consolar.
E assim ficamos
entre o querer
estendendo as mãos
e deixando-as
                    cair.

Fonte: Palavrarte

postado por em 19-07-2008
Compartilhar