Blog dos Poetas

As mãos estendidas

de
                       A Carlos Drummond de Andrade

Nessa direção
da janela aberta
vem o Murundu,
o bicho-papão
metendo medo em
quem anda acordado
inda a essas horas.
Em outro lugar
cisma outra criança.
Triste é não poder ter um outro vôo
que não o poético
da imaginação
para a consolar.
E assim ficamos
entre o querer
estendendo as mãos
e deixando-as
                    cair.

Fonte: Palavrarte

postado por em 19-07-2008
Compartilhar

3 Comentários para “As mãos estendidas”


  1. Dois Rios disse:

    “Triste é não poder ter um outro vôo
    que não o poético
    da imaginação
    para a consolar.”

    Eu queria ter escrito isso. Mas o Drummond é um só.

    Lindo demais!

    Beijo


  2. Rafael Portal disse:

    Por que retiraram os autores do RSS? Estava ótimo! Poderiam colocar novamente?

    Obrigado!


  3. Mônica disse:

    Este lindo poema é da escritura Olga Savary e não do Drumond.Presta atenção qdo ler Sr ou Sra Dois Rios.

Deixe Seu Comentário