Blog dos Poetas

Amor Algébrico

de

Acabo de estudar – da ciência fria e vã,
O gelo, o gelo atroz me gela ainda a mente,
Acabo de arrancar a fronte minha ardente
Das páginas cruéis de um livro de Bertrand.

Bem triste e bem cruel decerto foi o ente
Que este Saara atroz – sem aura, sem manhã,
A Álgebra criou – a mente, a alma mais sã
Nela vacila e cai, sem um sonho virente.

Acabo de estudar e pálido, cansado,
Dumas dez equações os véus hei arrancado,
Estou cheio de spleen, cheio de tédio e giz.

É tempo, é tempo pois de, trêmulo e amoroso,
Ir dela descansar no seio venturoso
E achar do seu olhar o luminoso X.

postado por em 06-06-2010
Compartilhar

3 Comentários para “Amor Algébrico”


  1. Mariana disse:

    Muito bom o conteúdo de vocês. Tudo o que se possa imaginar em questão de poemas é possível encontrar no acervo de vocês. Grande nomes da literatura nacional e internacional estão aqui. Parabéns pelo blog.


  2. EDILOY A C FERRARO disse:

    Este autor fecundo, analítico, sociológico, em sua exuberante obra OS SERTÕES, todavia, como poeta, ainda não me recordo tê-lo lido, surpreende pela melancolia apreendida em seus versos, algo severo, lúdico, nostálgico….


  3. Elisa Gasparini disse:

    Ai ai, amei!! Um olhar todo especial pelo estudo e pelo amor, reverenciando a ambos.

Deixe Seu Comentário