Blog dos Poetas

A Rua dos Cataventos ( XXVIII )

de

Sobre a coberta o lívido marfim
Dos meus dedos compridos, amarelos…
Fora, um realejo toca para mim
Valsas antigas, velhos ritornelos.

E esquecido que vou morrer enfim,
Eu me distraio a construir castelos…
Tão altos sempre… cada vez mais belos!…
Nem Dom Quixote teve morte assim…

Mas que ouço? Quem será que está chorando?
Se soubésseis o quanto isto me enfada!
E eu fico a olhar o céu pela janela…

Minh’alma louca há de sair cantando
Naquela nuvem que lá está parada
E mais parece um lindo barco a vela!…

postado por em 16-07-2015
Compartilhar