Blog dos Poetas

A Dor

de

Em o horror desta muda soledade,
Onde voando os ares a porfia,
Apenas solta a luz a aurora fria,
Quando a prende da noite a escuridade.

Ah, cruel apreensão de uma saudade!
De uma falsa esperança fantasia,
Que faz que de um momento passe a um dia,
E que de um dia passe à eternidade!

São da dor os espaços sem medida,
E a medida das horas tão pequena,
Que não sei como a dor é tão crescida.

Mas é troca cruel, que o fado ordena;
Porque a pena me cresça para a vida,
Quando a vida me falta para a pena.

postado por em 18-09-2011
Compartilhar

2 Comentários para “A Dor”


  1. EDILOY A C FERRARO disse:

    Belíssimo e pungente soneto do mestre das hipérboles, do demasiado, jorram lágrimas em letras, reflexões em dores…


  2. Ildérica disse:

    Parabéns pelo belo poema.

Deixe Seu Comentário