Blog dos Poetas

A Criança

de

Que tens criança? O areal da estrada
Luzente a cintilar
Parece a folha ardente de uma espada.
Tine o sol nas savanas. Morno é o vento.
À sombra do palmar
O lavrador se inclina sonolento.

É triste ver uma alvorada em sombras,
Uma ave sem cantar,
O veado estendido nas alfombras.
Mocidade, és a aurora da existência,
Quero ver-te brilhar.
Canta, criança, és a ave da inocência.

Tu choras porque um ramo de baunilha
Não pudeste colher,
Ou pela flor gentil da granadilha?
Dou-te, um ninho, uma flor, dou-te uma palma,
Para em teus lábios ver
O riso – a estrela no horizonte da alma.

Não. Perdeste tua mãe ao fero açoite
Dos seus algozes vis.
E vagas tonto a tatear a noite.
Choras antes de rir… pobre criança!…
Que queres, infeliz?…
-Amigo, eu quero o ferro da vingança.

postado por em 26-02-2007
Compartilhar

1 Comentário para “A Criança”


  1. Rejane dos Santos disse:

    Gostaria sabem de forma bem clara como surgiu o poema e como era trabalhado na educação infantil, pra que possa apresentar um trabalho acadêmico, principais escritores que trabalhavam poemas com crianças e qual a sugestão para se trabalhar na educação infantil

Deixe Seu Comentário