Blog dos Poetas

Saudade

de

Infeliz de quem vive sem saudade,
Do agridoce pungir alheio às penas,
Sem lembranças de amor e de amizade,
Hoje vivendo o dia de hoje, apenas.

Triste de ti, ancião, que te condenas
A mole insipidez da ancianidade
E não revives na memória as cenas
De prazer e de dor da mocidade!

Ter saudade é viver passadas vidas,
Percorrendo paragens preferidas,
Ouvindo vozes que se têm de cor.

Sonha-se… E em sonho, como por encanto,
A dor que nos doeu já não dói tanto,
Gozo que foi é gozo inda maior.

postado por em 01-05-2007
Compartilhar

  • http://- Alaor Carrara de Almeida

    Não me canso de ler a poesia de Bastos Tigre. Para mim a mais bela é a Saudade; Saudade, palara doce que traduz tanto amargor,
    Saudade é como se fosse espinho cheirando a flor
    Saudade, ventura ausente, um bem que longe se vê
    Uma dor que o peito sente sem saber como e porque

  • Graça

    Tenho verdadeira paixão pela poesia de Bastos Tigre. Para mim, a mais bela e profunda é “Saudade” – “Saudade, palavra doce que traduz tanto amargor… bendita a dor da saudade que faz bem ao coração.”

  • Graça Reis

    adoro a poesia saudade palavra doce que traduz tanto amargor…Só que não tenho mais a poesia. Poderiam enviar- a letra? Gosto muito também de outro poema de Bastos Tigre. ” Ser mãe é padecer num paraiso, é sofrer com um sorriso………E chora e ri parece que Deus entrou aqui.Por favor se alguem conhece, envie-me por favor. Abraços e obrigada.
    Gracinha reis

  • http://gosteimuitodoseuPOEMA adriane

    será que pode mandar mais para mim ler

  • Selma Clemes Kulkamp

    Também lembro em parte da perfeita definição de saudade escrita por Bastos Tigres. Quanto ao poema que diz “ser mãe é padecer no paraíso”, nada tem a ver com o que fala “parece que Deus entrou aqui”. Aos onze anos (1963), quando se ensinava poesia nas escolas, a gente fazia muitas homenagens às mães; daí a Gracinha Reis confundir com o poema de Joseph Guiaroni que fala em parte: “Mãe, hoje volto a te ver na antiga sala, onde um dia te deixei sem fala, dizendo adeus como quem vai morrer … parece que Deus entrou aqui.”

  • Geison – Natal/RN

    Saudade

    Saudade – palavra doce,

    Que traduz tanto amargor,

    Saudade é como se fosse

    Espinho cheirando a flor.

    Saudade – ventura ausente,

    Um bem que longe se vê,

    Uma dor que o peito sente,

    Sem saber como e porquê.

    Um desejo de estar perto,

    De quem está longe de nós;

    Um ai que não sei ao certo

    Se é um suspiro ou uma voz.

    Um sorriso de tristesa,

    Um soluço de alegria,

    O suplício da incerteza

    Que uma esperança alivia.

    Nessas três sílabas há de

    Caber toda uma canção,

    Bendita a dor da saudade

    Que faz bem ao coração.

    Um longo olhar que se lança

    Numa carta ou numa flor;

    Saudade, irmã da esperança,

    Saudade, filha do amor.

    Uma palavra tão breve,

    Mas tão longe de sentir!

    E há tanta gente que a escreve

    E a não sabe traduzir.

    Gosto amargo de infelizes

    Foi como a chamou Garret;

    Coração calado, dizes

    Num suspiro o que ela é.

    A palavra é bem pequena,

    Mas diz tanto, de uma vez!

    Por ela valeu a pena

    Inventar-se o português.

    Saudade – um suspiro, uma ânsia,

    Uma vontade de ver

    A quem nos vê, a distância,

    Com olhos de bem querer.

    A saudade é calculada,

    Por algarismos também:

    Distância multiplicada,

    Pelo fator – querer bem.

    A alma gela-se de tédio,

    Enchem-se os olhos de ardor.

    Saudade – dor que é remédio

    Remédio que aumenta a dor!.

  • maura o.s.antunes

    na adolecencia eu era apaixonada pelo meu professor de matemática, decorei este poema e vivia falando pra ele… acabei apaixonando pelo poema também!

  • m. crêspo

    É realmente bonito este poema de Bastos Tigre. Pena que este gênero literário esteja em decadência.
    O que se lê hoje em dia é destituído de lirismo, que, em nosso entender, é um dos fundamentos da boa poesia, aquela que toca corações (como foi o caso da então adolescente Maura).

  • m. crêspo

    Gente, este blog pode se tornar um dos mais interessantes.
    Vamos movimentá-lo? Acorda, pessoal!

  • m. crêspo

    Já que ninguém se mexe, aqui vai uma trova, lida quando ainda criança, em livro escolar (autor não identificado):

    Sino coração da aldeia,
    coração sino da gente;
    um a sentir quando bate,
    outro a bater quando sente.

  • Dalce

    É legal falar com quem gosta de poesia e de poetas antigos. É um atributo cultural que está cada vez mais raro. No caso das músicas mais antigas, quando algum cantor moderno regrava, a turma jovem fica conhecendo (e achando que é do cantor ou cantora).

    Mas no caso da poesia é mais difícil. E era tão diertido aprender na escola. Também tive (tenho ainda na verdade), paixão por diversas poesias e poetas.

    Dos brasileiros, Castro Alves é empolgane. O único ponto negativo (mas aceitável (era cultural) foi ter morrido tão jovem, em função de caçada de animais silvestres.

    Seus poemas épicos (Vozes D´´Africa e Navios Negreiros), têm ainda o poder de me arrepiar (ou então eu é que não perdi o poder). E o lirismo de suas poesias é tocante.

  • Dalce

    Quero ver se há novas mensagens

  • m. crêspo

    Se Castro Alves houvesse escrito apenas Navio Negreiro e Vozes d’África, isto lhe bastaria para ser consagrado como o maior dos poetas brasileiros. Além de belos, são poemas monumentais. Para se escrever algo desse porte, não bastam inspiração e cultura, mas também mocidade e um forte ideal no peito.

  • m. crêspo

    O que estaria faltando para a moçada comparecer a este blog? Vamos, gente, podemos oferecer bonitos versos, para deleite de todos. Traga a sua contribuição poética.

  • nilson

    saudade, um dos mais pelos poemas. Realmente é lindo, viva a poesia!

  • http://----- mateus campos

    o escritor consegui definir como de fato a saudade nos reprenta. e com graça e bem uso das palvraas empregadas ele consegui nos emitir de modo percusiente o que a saudade é. pra min a saudade é o único sentimento que nos faz enchegar quem de fato nos preeche e que tal força abstrta nos domina em horas mais que nao podemos nos deichar se condusir por esta, pois o fim de todo sentimento como a saudade é apenas num lugar no rancor e nas impuressa qu omundo nos empoe

  • ADELSON

    MARAVILHOSO ESTE POEMA!!!

  • marcelo santos alves

    o poema mais bonito que eu já vi na minha vida.

  • mcrespo

    ‘Ao luar o idílio,
    um par de namorados,
    corpos se aquecendo, almas se tocando.

    Na brisa acariciante bailam teus cabelos,
    cabelos soltos, moldura do teu rosto,
    teu rosto meu.

    Obra de arte esta figura tua,
    figura amável, desejável carne,
    a minha amada nua!’

    (Gostaria de conhecer o restante deste poema ou o nome do seu autor. Alguém poderia me dizer?

  • http://radiopointcolina.webnode.com.br Ulysses Junior

    Hoje, bateu uma baita de saudade dos meus velhos tempos de juventude, quando na ocasião gostava muito de escrever.
    Foi então que lembrei do Bastos Tigre, e aqui, vim matar a minha saudade.
    …Saudade – palavra doce…

  • Odair

    Essa poesia Saudade palavra doce é do Olavo Bilac.[ ]s

  • http://grilosdoraul.blogspot.com Raul Santos

    Maravilha!!!…
    Aí está, então, minha singela colaboração:

    Maravilhosa Juventude
    As épocas são maravilhosas e a juventude, a única coisa que na verdade nunca envelhece, está sempre se renovando.
    O que seria da humanidade se não fossem os jovens, mimosas flores que devem ser cultivadas com carinho para que possam dar bons frutos?
    Raul Santos

  • http://grilosdoraul.blogspot.com Raul Santos

    Odair, recicle os seus conhecimentos, porque desde quando me entendo como gente, sei que este poema é de autoria de Bastos Tigre!!!…

  • José Marcos Barroso

    Um dos mais insígnes e pouco divulgado poeta, personalizado e diferenciado através da criação da mais bela poesia que já li, declamei e divulguei. A expressão do sentimento d’alma traduzida numa palavra exclusiva de nosso idioma (apenas sentida: intraduzível e incomunicável), para o deleite dos espíritos sensíveis e perfeitamente harmônicos às ‘insinuações’ do amor, até à sua total e única apreensão! Um grito de ânsia de liberdade no silêncio…

  • Evandro J. Garcia

    Perfeito poema!