Blog dos Poetas

Minha Rua

de

Minha rua era tão minha
em sua simplicidade…

Não sei de onde é que ela vinha,
mas ia para a cidade.

Com suas pedras redondas
e duas magras calçadas,
não tinha praia nem ondas,
mas como tinha enxurradas!

Era alegre, era risonha,
tinha orquestra de pardais,
e a cantilena enfadonha
de mil pregões matinais.

Ali cresci, me fiz homem,
e a minha rua, coitada…
qual as mães que se consomem,
foi tudo, sem querer nada.

Foi pista dos meus brinquedos,
de jogos de correrias…
Foi dona dos meus segredos
viu tristezas, alegrias…

Viu meus passos imprecisos,
viu-me garoto, um traquinas,
e viu-me trocar sorrisos
nas rondas pelas esquinas.

Viu-me também, certo dia,
sair da lá, nem sei quando…

Por fora sei que sorria,
por dentro estava chorando…

guardei, porém, na lembrança
aquele encanto que tinha
a rua em que fui criança,
a rua que foi tão minha…

Sugerido e enviado pelo colega e amigo Ediloy Ferraro, o poema da sua infância, localizado por ele, na internet, depois de muita persistência 🙂

postado por em 04-02-2010
Compartilhar

19 Comentários para “Minha Rua”


  1. Felipa disse:

    Um bonito poema, retratando o lugar onde o poeta viveu a infância; a rua, local de brincadeiras e vivências que permanecem eternamente guardadas no coração de quem as viveu…


  2. EDILOY A C FERRARO disse:

    …me emociona reler esses versos que me calaram fundo nos meus tempos ginasianos…sempre achei que eram de Guilherme de Almeida, até descobrir tratar-se de um outro poeta, não tão notório, mas não menos sensível e arrebatador…

    Tenho poucas coisas de memória, esses versos os relembrava com frequência, o que me ajudou a procurá-los na íntegra.na internet…

    Obrigado pela publicação, Célia. Bjs !


  3. Elisa Torres disse:

    Eu não conhecia esse poeta, pretendo buscar outros versos de sua autoria. Eu fui tocada pelo poema com a sensibilidade de quem sente a emoção do outro, a que transpassou o coração do poeta. Fui tocada por compreender o que é uma marca, uma história de vida, uma saudade …


  4. Infeto disse:

    ..E jamais será esquecida. AInda vale dizer que nem ruas se fazem mais como antigamente. Abraços


  5. zierley jardim disse:

    muito bom.
    parabéns pela iniciativa e parabéns ao poeta.
    abraços!


  6. Hellen Marah disse:

    os poetas são homens de maravilhosa sensibilidade que infelizmente certas mulheres não tem; mas existe também as mulheres poetas (ou poetisas), que fazem de suas sensibilidades, belos poemas;
    (eu também sou poeta e também sou mulher); mas esse poema Minha Rua é tocante; parabéns ao autor e também por quem o editou neste blog


  7. Norma Faustini disse:

    Nossa!…esse poema me trás tão boas recordações da infância…ele nunca me saiu da memória…e procurando na net com a frase “MINHA RUA ERA TÃO MINHA” achei aqui e foi como encontrar com meu passado.
    …me emocionei,um misto de alegria e saudade!…ai aii…


  8. Luiza disse:

    Mtooo massa esse poema
    Adoreii.
    Me emocioneii mtoo…
    ☺♥☺


  9. sergio macedo disse:

    – Esse poema, retrata tanto minha infância que até hoje quando chego na casa de minha mãe, onde vivi toda minha infância me pego cantando esse lindo poema, que aprendi e decorei aos 10 anos, em minha escola Fundação Bradesco – Manaus-Am, pelo meu querido profº Queiroz, um nordestino arretado de bom!!!!! tenho muitas saudades desse tempo!!!!!


  10. Tõnia Almeida disse:

    Tinha 13 anos qdo recitei este poema, na minha escola,e hoje já passados 40 anos, guardo na minha memória ,aquele encanto que tinha!


  11. vera avancini disse:

    Esse poema, retrata tanto minha infância que até hoje quando chego onde vivi toda minha infância me pego cantando esse lindo poema, que aprendi e decorei aos 10 anos, em minha escola Roda D’agua – Cariacica -ES, pela minha querido profª “Dª Lacy”, com quem aprendi a ler e escrever de verdade, pois quando leio viajo, sinto cheiro e até o frescor da brisa tocar meu rosto. e com esse poema sinto muito mais que isso!!!!!!!!!!!!!!!!!

    tenho muitas saudades desse tempo!!!!!


  12. EDILOY A C FERRARO disse:

    A imortalidade de uma obra reside naquilo que ela transmite em seu tempo e além dele…este poema, muito caro a mim, foi o inspirador de meu conto A VOLTA, a busca de um homem de suas raízes, origens, selecionado pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores, e também publicado neste site, ou seja a obra rendeu herdeiros na emoção…


  13. Rosana Beppler Santiago disse:

    Também nunca esqueci este poema desde os tempos de colégio, anos 70 em Blumenau-SC escola Machado de Assis.
    Lembrava boa parte dele na memória e hoje procurando pela primeira frase na internet, encontrei-o pra minha felicidade.
    E lendo as mensagens acima vejo que marcou também em várias pessoas.
    Vou guardá-lo com carinho pois nos remete a infância/adolescencia melhor fase de nossas vidas.


  14. J. Fonseca disse:

    li esse poema aos 11 anos de idade num livro de português perdido em nossa estante, eu nunca esqueci as primeiras linhas. Mudamos de casa anos mais tarde e o livro foi perdido. Procurei por toda minha vida este poema, tenho agora 44 anos, hoje reencontrei. Posso morrer em paz, obrigado.


  15. Tônia disse:

    Tenho certeza que todos que fizeram aqui seu comentário,sentem a mesma saudade que sinto,de um tempo em que a poesia fazia parte da vida e da alma!!!. Essa entre tantas, com certeza jamais esqueceremos.


  16. ana lucia disse:

    Poema maravilhoso, também o recitei na escola! que saudades daquela época! Que Deus abençoe quem o editou!


  17. evandro gomes disse:

    Há 25 anos atrás li este poema.Estava morando em joinville(SC).Estava com muitas saudades do meu Ceará,principalmente da minha cidade Forquilha,da minha pequena rua em que nasci e me crie.Parece que o autor estava escrevendo para mim .Fazia muito tempo que procurava encontrá-lo,mas não sabia o nome do autor nem do poema.Estou feliz e emocionado.Na minha rua ainda mora meu pai e sempre vou visitá-lo.Minha rua continua linda . Obrigado!


  18. Dilvana Sebastião disse:

    Chorei agora quando li este poema. Eu li num livro velho, dos meus tios, quando era criança. Nunca esqueci. Também me lembra a minha cidade, minha rua, minha infância…bons tempos aqueles. Obrigado pela lembrança!


  19. Aroldo de Campos disse:

    Saudades do tempo do ginásio estadual dr. Luíz Zuiani. Ano 1971. Bauru-sp

Deixe Seu Comentário