Blog dos Poetas

A Odisseia do Verso

de

Vieram da fonte sensitiva e casta
do Coração: filtraram-se em requinte,
nos centros cerebrais: são versos… basta.
É estrofá-los em luz, por conseguinte.

É escrevê-los em fogo, em tom que os pinte,
voz que os declame… E a língua mal se arrasta!
E a pena extrai-lhes a expressão seguinte
que os fixa nos papéis da minha pasta…

Leva-mos o impressor, a publicá-los.
Lá se vão os meus versos… E eu sucumbo,
ao despedir-me da alma, entre ais e abalos…

E, ante a máquina, agora, o olhar descerro:
— vejo o meu Sonho transformado em chumbo!…
— vejo a minha Arte reduzida a ferro!…

postado por em 11-10-2016
Compartilhar